IGAPORÃ – NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO
14-01-2018
Paróquia de Igaporã inicia festejos em louvor a São Sebastião
Notícias
11-01-2018
Paróquia de Urandi celebra missa pelo aniversário natalício e sacerdotal de padre Alessandro Alves
DIOCESE
10-01-2018
14º Intereclesial das CEBs será realizado em Londrina (PR), no final do mês
GUANAMBÍ – SANTO ANTÔNIO
02-01-2018
Mons. Alex Adriano se despede de Guanambi; foi transferido para Caetité
HORÁRIO DE MISSA

Artigos

Em artigo, Dom Armando Bucciol, bispo de Livramento, fala da participação na celebração deste domingo (24)

22-12-2017 | Por Dom Armando Bucciol/Bispo da Diocese de Livramento

Dom Armando Bucciol é bispo da Diocese de Livramento (BA) e presidente na Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB.

O Catecismo da Igreja Católica ensina que a celebração dominical do Dia e da Eucaristia do Senhor está no coração da vida da Igreja, que “O domingo, em que se celebra o mistério pascal, por tradição apostólica, deve guardar-se em toda a Igreja como o primordial dia festivo de preceito”. No próximo dia 24 de dezembro, um domingo, acontecerá algo que tem deixado vários fiéis em dúvida em relação à participação nas celebrações que acontecem no mesmo dia: a do 4º domingo do Advento e a da Vigília do Natal ou a do Natal do Senhor, no caso da celebração da I Véspera da Solenidade do dia seguinte, 25 de dezembro.

O dia do Natal de Jesus está entre aqueles que devem ser guardados e cuja participação dos fiéis é obrigatória, no dia festivo ou na tarde antecedente. Por isso, o bispo de Livramento de Nossa Senhora (BA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Armando Bucciol, explica “de maneira essencial” o que os fiéis podem fazer:

 “Cada um, cada uma, faça o possível para participar no sábado à noite ou no domingo pela manhã da missa do 4º domingo do Advento, para participar também da missa da noite do Natal e/ou do dia de Natal, que tem as duas celebrações características litúrgicas e espirituais próprias. Esse é o ideal que todo cristão católico é convidado a viver”. Leia mais »

Artigos

[ARTIGO] O combate ao aedes aegypti

17-02-2016 | Por Dom Murilo S.R. Krieger, scj Arcebispo de Salvador

Mosquito Aedes Aegypti

Mosquito Aedes Aegypti

Dois anos atrás, as Igrejas Cristãs que fazem parte do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs – Conic assumiram a responsabilidade de preparar a Campanha da Fraternidade (CF) de 2016. Ao refletir sobre o tema que deveriam escolher, concluíram que precisaria girar em torno do direito que todas as pessoas têm ao saneamento básico. Na fase de preparação do texto-base, foi publicada a encíclica “Laudato si – sobre o cuidado da casa comum”, do Papa Francisco. Foi natural, pois, que as reflexões papais acabassem iluminando vários parágrafos do texto.

Lançada a CF-2016, percebe-se quanto o tema que aborda é oportuno e atual. Nosso país enfrenta as consequências da “vergonhosa realidade do saneamento básico”: a multiplicação do mosquito “aedes aegypti”, transmissor da dengue, do vírus zika e do chikungunya.

Preocupada com os desdobramentos dessa situação, e convicta da necessidade de “um grande mutirão, que envolva todos os setores da sociedade”, a CNBB, através de seu Conselho Episcopal Pastoral, aprovou uma mensagem para a sociedade. Afinal, somente nos mobilizando “seremos capazes de vencer estas doenças que atingem, sem distinção, toda a população brasileira”.

Da Mensagem da CNBB, chamo a atenção para cinco pontos:  Leia mais »

Artigos

[ARTIGO] Batismo e Missão

10-01-2016 | Por Dom José Gislon, Bispo de Erexim (RS)

Solenidade do Batismo do Senhor

Solenidade do Batismo do Senhor

Estimados Diocesanos! Neste segundo domingo do novo ano, celebramos a Festa do Batismo do Senhor, por João Batista nas águas do rio Jordão. Jesus, o filho de Deus, aquele que “batizará no Espírito Santo e no fogo”, assumindo a natureza humana, vai até o rio Jordão para receber o batismo de conversão de João Batista. Aquele que não tinha pecado desce no coração da humanidade, se junta aos pecadores para elevar consigo a humanidade ao Pai. Jesus, manso e humilde de coração, é solidário com a humanidade que padece, entorpecida pelo pecado do egoísmo, do abandono e da indiferença. Ele veio revelar ao mundo a face de Deus e o seu projeto de amor, que busca a reconciliação da criatura com o Criador, através da misericórdia.

A Festa do Batismo de Jesus, que encerra as celebrações do Natal, é também momento oportuno para recordarmos os compromissos do nosso batismo. Através dele, renascemos em nome da Santíssima Trindade como filhos e filhas de Deus e somos acolhidos na Igreja comunidade. Acolhidos não por acaso, mas para vivermos uma missão, a de testemunharmos Jesus Cristo.

Penso que no mundo temos muitos meios e modos de testemunharmos a nossa fé no dia-a-dia, na família, na escola, no local de trabalho, participando nas celebrações da comunidade ou colocando-se também a serviço do Senhor nos vários ministérios, tão necessários para o fortalecimento da comunhão e o cultivo da vida de fé nas comunidades. Quando nos dispomos a servir o Senhor, saímos do nosso isolamento, e deixamos a indiferença de lado, para dar um novo sentido à nossa vida.

A graça de poder servir a Deus e aos irmãos, através dos ministérios na comunidade e na ação missionária, pode também ajudar a despertar nos jovens, o sentido da corresponsabilidade e do compromisso em relação à vida e às fragilidades e feridas que atingem uma grande parcela do nosso povo. “Aquilo que os olhos não veem o coração não sente”. Jesus viu o sofrimento do povo, encontrando-o ao longo do caminho.

Artigos

[ARTIGO] Seminário: lugar de regar as sementes do discipulado e da missão

08-01-2016 | Por Pe. Sandro Alves Teixeira Lima*

Foto: PASCOM

Foto: PASCOM

Tem uma música que pede para colocar a semente na terra e que isso não será em vão. A música adverte para não nos preocupemos com a colheita, mas recorda que jamais nos esqueçamos de plantar para o irmão. A semente da fé cristã colocada no coração dos filhos e filhas de Deus, especialmente no batismo, e germinada no seio da comunidade, a começar pela família, leva o cristão a dar respostas vocacionais capazes de brotar e dar frutos que permaneçam para sempre.

No capítulo 13 do Evangelho segundo Mateus, Jesus conta a parábola do semeador e mostra que a semente caiu em terrenos diversos, e aquela que caiu em terra boa deu frutos em abundância.  Nesta lógica, o Seminário/Casa de formação é, também, o lugar de ajudar o vocacionado a produzir frutos que o ajude a dar respostas vocacionais cristãs consistentes. Leia mais »

Página 1 de 11