CAETITÉ – SENHORA SANT’ANA

Sepromi realiza visita técnica em comunidades do Sudoeste da Bahia

12-05-2017 | CPT Bahia

Foto: Maria Santana/ CPT Bahia.

A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) do Governo do Estado da Bahia realiza visita técnica na região sudoeste, nos municípios de Tremedal, Piripá, Cordeiros, Caetité e Tanque Novo.  A visita teve início no dia 09 deste mês e ocorre até amanhã (13).

Essa ação é fruto da reivindicação das comunidades tradicionais dessa região quanto à regularização fundiária dos seus territórios. Grande parte delas sofrem investidas do capital mineral e do agronegócio que vêm provocando uma série de conflitos na região. As áreas que historicamente as famílias usam, de forma tradicional e comum, estão sendo ocupadas ilegitimamente pelas empresas e muitas delas expulsam o povo e se apropriam indevidamente dos territórios que são imprescindíveis para a sobrevivência dos moradores dessas comunidades.

É nesse contexto que as comunidades se incorporaram ao projeto de Busca Ativa, desenvolvido pela Articulação de Fundo e Fecho de Pasto do Estado da Bahia, que tem como objetivo fazer o levantamento e mobilizar as diversas comunidades tradicionais existentes no estado. Como resultado desse trabalho, várias comunidades articuladas solicitaram do governo da Bahia a certificação enquanto comunidades de Fundo e Fecho de Pasto, etapa fundamental para exigir a discriminação e demarcação do território pela Coordenadoria de Desenvolvimento Agrário – CDA.

Segundo Juracy Ribeiro, da comunidade de Palmeiras, essa visita trouxe satisfação para todos os moradores. “Essa certificação é uma conquista muito desejada pelas comunidades, pois será mais um instrumento de luta na defesa do nosso território”, afirmou. Já Fábio de Santana, representante da Sepromi, ressaltou a importância dessa certificação. “Essas comunidades passarão a ter prioridades quanto às políticas públicas que virão para o município”, disse.

As comunidades seguem mobilizadas na expectativa da chegada do certificado e se preparam para conquistar a regularização fundiária que possa garantir efetivamente a existência e continuidade dos seus modos de vida.